8.3.16

O dia Internacional da Mulher Trabalhadora, é dia da trabalhadora negra também?

Como o dia internacional da mulher, porém a ONU só reconheceu essa data 50 anos depois.*
Como bem lembrou a miga Taynara, essa história e essa data é um mito. Tem a história toda bem explicada no link no final do post.


Acontece que em 8 de março de 1857, eu ainda era uma escravizada. (Só pra lembrar, a abolição nos EUA foi em 1863. No brasil 1888). Isso significa que nossas irmãs estavam sendo vendidas como um pedaço de qualquer coisa. Provavelmente escravas das famílias de muitas dessas mulheres brancas grevistas super revolucionárias.

Tu não eras escrava porque tu não eras nascida, porém suas antepassadas possam ter sido escravas, mas aí teríamos que analisar seu DNA saber quem são seus antepassados, porque nem todo o povo do continente africano foi escravizado. E não precisamos ser muito inteligentes para sacar que essas mulheres brancas grevistas eram operárias, e trabalhavam em condições desumanas e seus salários equivaliam a 1/3 do recebido pelos homens. Ou seja, mal tinham dinheiro para elas, imagina para comprar escravas?

Como eu sempre digo, as mulheres brancas tem lá seus problemas, mas nenhum é mais grave que o nosso: nós temos um povo inteiro a reeguer em absolutamente TODOS os aspectos. Falam tanto de emancipação, podem resolver seus problemas sozinhas, não é mesmo? Já estão crescidinhas.
Todas as mulheres têm lá seus problemas: sejam elas brancas, negras, trans, indígenas, deficientes, mães, gordas... uma não exclui a outra, uma luta não exclui a outra, uai. Todas nós sofremos com o machismo. E eu não entendi muito bem esse parágrafo, por isso não tenho muito que dizer. Acredito que seja só drama e botar lenha na fogueira em colocar mulher negra contra o mundo.


Por isso, já vou avisando com antecedência: não me deem feliz dia da mulher amanhã, se não eu vou achar que você é um/a deslocado/a que não conhece sua história (em alguns momentos é necessário falar duro mesmo, mas tem afeto nessa rispidez). Meu dia é 31 de Julho, Dia da Mulher Africana.

Olha, como já disse acima, qual história é a nossa? Não podemos julgar que todas as pessoas que tenham a pele escura descendem Nessa semana do internacional da mulher (trabalhadora!) fiquei pensando sobre o que escrever. Estava planejando um texto sobre as mulheres curdas porque eu as amo, mas terá que ficar para depois, pois novamente apareceu no meu feed de notícia um post muito pertinente. O dia internacional das mulheres são para todas as mulheres? São para as negras? Bom, eu colarei  aqui o texto da Gilza Marques e refutarei parágrafo por parágrafo para tentar responder essas duas perguntas. 

Antes de qualquer coisa, quero deixar escuro que o dia oito de março, é um dia de luta, e não de ganhar flores dos homens.
Antes de qualquer coisa, quero deixar escuro que o dia oito de março, é um dia de luta, e não de ganhar flores dos homens.



8 de março, dia internacional da mulher BRANCA
Gostei do título, bem impactante e chama bastante a nossa atenção! Mas o correto é 8 de março, dia internacional da mulher TRABALHADORA, sim irmãs, quem lutou para intitular essa data como o dia da mulher foram as socialistas.


Conta-se que no dia 8 de março de 1857, data que marca o dito dia internacional da mulher, um grupo de operárias fizeram uma greve em NY e, pra resumo da ópera, sofreram repressões e algumas morreram.

Não não, já começamos com um erro de datas! A data correta para esse episódio é dia 25 de março de 1911, em NY no qual morreram 129 mulheres e meninas, a maioria imigrante entre 16 e 24 anos. Por que então essa data ficou tão famosa? Porque no dia 8 de março de 1917, com a deflagração da greve das tecelãs de São Petersburgo, que impulsionou a Revolução Russa, a data foi consagrada diretamente de escravos, mas todas as pessoas de pele escura, seja ela rica ou pobre, sofrem com o racismo nos dias de hoje. A história africana é muito rica sim! São 54 países e muito mais grupos étnicos. Essas histórias foram nos negada, precisamos lutar para que as histórias não caiam no esquecimento, precisamos cobrar o ensino da cultura africana nas escolas sim! Mas o dia 31 é o dia da Mulher Africana e não dia da Mulher Brasileira. Devemos admirar e comemorar dia da mulher africana porque sabemos que não é fácil, mas aí seria até uma apropriação cultural chamar esse dia de nosso, né? Rs. Tem também o 25 de julho também Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, que aí faz mais sentido não?

Em memória de todas aquelas que pereceram, o mínimo que a gente pode fazer é conhecer e honrar nossa história, não caindo em qualquer caô europeu e eurodescendente. Nossa referência principal, primordial e primeira é e deve ser África, no continente ou na diáspora. Nós devemos isso a quem perdeu a vida para hoje estarmos aqui.

Mais uma vez, a história das mulheres do continente africano é imensa e densa, se você já domina esse assunto, meus parabéns, pode dar aulas de estudos africanos em qualquer universidade. O dia internacional da mulher, não é um dia para festejar, é um dia de luta. Para lutarmos por tudo o que todas as mulheres, independente da etnia, sofrem.  É um dia de “consciência política e de solidariedade internacional” (KOLLONTAI, 1982). Assim como o primeiro de maio.
Um dia também para lembramos das conquistas de todas as mulheres, inclusive as negras. 


E além do mais, mulheres negras em 1913 ajudaram a organizar o sufrágio feminino em conjunto com o NAWSA (National American Woman’s Suffrage Association), através da Associação Nacional de Mulheres de Cor e o Alpha Sufrágio clube, suas representantes com maior destaque era Mary Church Terrell e Ida B. Wells-Barnett. Ida B. Wells-Barnett ainda desempenhou um papel importante na organização do desfile, mas ocorreram conflitos étnicos, pois o sufrágio tinha frações liberais, aí a orientaram a caminhar no final da marcha, e ela respondeu da seguinte forma - " Se as mulheres Illinois não tomarem uma posição agora neste grande desfile democrático, em seguida, as mulheres de cor estarão perdidas”.



Mulheres comunistas negras como Claudia Jones e outras compreendiam as limitações e contradições do movimento sufragistas, mas ajudavam  em algumas pautas, pois viam que apesar do não atendimento, as pautas davam brechas para uma discussão mais ampla sobre emancipação da mulher.

Não podemos nos deixar enganar que em toda a história, a mulher negra foi esquecida, deixada de lado. Isso é apagar um passado revolucionário dessas heroínas negras que lutaram e não tem nenhum reconhecimento.

Então, acredito que nós, mulheres negras brasileiras latina americanas, trabalhadoras, devemos comemorar (leia-se lutar) o dia 8 de março de sim, pois não estamos imunes a sofrer com o machismo, com o assédio no trabalho e somos a quem recebe menos na empresa. As mulheres negras ainda tem a particularidade de sofrerem com o racismo em suas jornadas trabalhistas. É inegável que esse seja nosso dia de luta também.


Deixo aqui alguns links de mulheres negras e africanas nos mandando feliz dia Internacional da Mulher Trabalhadora:
 Mensagem às Mulheres Revolucionárias das militantes do Partido Pantera Negra em 9 de Agosto de 1969 
Mensagem da Frente de Libertação de Moçambique para as o dia Internacional da Mulher Trabalhadora
Texto e vídeos das caboverdianas que se encontraram no dia Internacional da Mulher Trabalhadora

P.S: Obrigada as mona, aos mano e as mina dos grupos do facebook que me ajudaram nesse texto <3


2 comentários:

  1. Tô apaixonada pelo texto e pelo blog haha. Sério! Achei esse texto muito bom (em toda uma complexidade e história por trás dessa data e etc) e as outras postagens também!

    http://fuller-blog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa que MASSA saber que vocês gostam dos nossos posts!!
      Obrigada

      Excluir

 
Layout criado e codificado para o blog Vennus | Cópia proibida © 2015